Curta

Fecha em 30 Segundos...!!!Fechar Agora X

Sites Realizados - Testimonial - Fotos

Escrito em 2012 e atualizado...

Só depois das eleições 2014 que os menos INFORMADOS, os "mais devagar" saberão do BURACO onde estão nos metendo.

FUNDO SOBERANO e AUTO SUFICIÊNCIA anunciados em 2006 SÃO MENTIRAS !!! IMPORTAMOS HOJE U$15 BILHÕES ANUAIS DE PETRÓLEO. 

Estão pegando os GRANDES EMPRESÁRIOS: O Junior da FRIBOI (não é filho do Lula) ia financiar a campanha de EDUARDO CAMPOS (Governador de PE) para PRESIDENTE e Júnior foi pego como EIKE para ser USADO PELO GOVERNO. 

Veja como os ARAPONGAS da ABIN e delegados da PF MILIONÁRIOS e com conta na SUÍÇA pegam os GRANDES empresários para serem GAROTOS PROPAGANDA do governo do PT

Soma de quase uma dezena de artigos de jornais e revistas para sua compreensão

Operação Satiagraha Delegado PF MILIONÁRIO que Comandou a Cooptação de Eike Batista

A MAIOR DISPUTA PROCESSUAL ENTRE JORNALISTAS

Eike enfrenta processos ambientais

No grupo EBX, o campeão é o Porto do Açu, com 13 investigações e duas ações

17 de setembro de 2012 | 3h 04

GLAUBER GONÇALVES / RIO - O Estado de S.Paulo

Dono de uma carteira de projetos de grande porte com alto potencial de agressão ao meio ambiente, o empresário Eike Batista tem enfrentado uma série de contestações a seus empreendimentos Brasil afora. Levantamento feito pelo Estado, a partir de consultas a Ministérios Públicos Federais e Estaduais, mostra que as companhias X já acumulam pelo menos 33 inquéritos e ações civis públicas em nove Estados em que atuam ou estiveram presentes.

A maior parte está ligada a contestações aos processos de licenciamento e a alegações de impactos no meio ambiente. Entre os empreendimentos do bilionário, o complexo industrial do Porto do Açu, que a LLX está construindo em São João da Barra (RJ), é o campeão, com ao menos 13 investigações e duas ações. Porém, há imbróglios envolvendo OGX (óleo e gás), MPX (energia), MMX (mineração) e OSX (construção naval e offshore) nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Norte.

Com o crescimento do número de projetos de grande envergadura espalhados pelo País, a EBX passou a enfrentar um volume maior de problemas ligados à questão ambiental, a exemplo do que já acontece com grandes empresas como Petrobrás e Vale. O diagnóstico aponta causas diversas para os problemas enfrentados pelas gigantes no âmbito ambiental: desde falha das próprias empresas na fase de projeto a ineficiências no sistema de licenciamento brasileiro.

"No caso de grandes obras no País, o que mais tem prejudicado é a questão de adequação do projeto. Isso tudo porque o Brasil tem cultura de conflito entre a engenharia e o meio ambiente", explica o professor Paulo Resende, da Fundação Dom Cabral.

Prejuízos. O resultado das falhas do Estado e das empresas é o adiamento ou cancelamento de investimentos e custos mais elevados. No caso da OSX, as dificuldades enfrentadas para licenciar um estaleiro em Santa Catarina fez com que a companhia desistisse de implantar o projeto no Estado. A solução encontrada foi levá-lo para o Rio. As obras agora estão avançando, mas o novo local escolhido, o complexo portuário de Eike no Açu, também tem sua licença ambiental questionada pelo Ministério Público Federal.

"Os problemas no licenciamento no País causam uma série de atrasos, inviabilizam o próprio investimento ou o tornam mais caro. Há todo um custo de atraso", diz o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires. Para ele, os órgãos de licenciamento não estão em consonância com a necessidade que o País tem de acelerar investimentos.

No caso do Açu, Eike se deparou com situação semelhante a que enfrentou em Santa Catarina. O que é questionado na Justiça é a competência do órgão licenciador estadual para dar a licença. Na interpretação do Ministério Público, o processo deveria ser feito em nível federal, pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama).

No Maranhão, uma outra decisão se baseou no mesmo entendimento. A autorização dada por um órgão estadual à térmica a carvão UTE Itaqui, da MPX, foi revogada pela Justiça, que exigiu que o órgão federal assumisse o processo. Na época, a companhia disse não ter sido afetada, pois obteve as licenças do Ibama em paralelo.

"O Ministério Público tem por obrigação do exercício investigar toda denúncia que ouve. Mas até hoje tivemos todos os licenciamentos liberados. São mais de 150 licenças que obtivemos", afirmou Paulo Monteiro, diretor de Sustentabilidade do grupo EBX.

Monteiro disse que a companhia se protege de possíveis prejuízos que os entraves ambientais possam causar aos projetos do grupo adotando uma postura de transparência e atendendo a todos os pedidos das investigações em curso. "Temos duas premissas no grupo muito importantes: transparência total e não ter compromisso com o erro. Se tiver alguma coisa que não está caminhando bem, a gente corrige na hora, não tem nenhum problema quanto a isso", defendeu.

Apesar das inúmeras contestações ao Açu, a EBX diz ter a questão ambiental como uma de suas prioridades no empreendimento. Em um evento realizado durante a Rio+20 na sede do grupo, o executivo reuniu especialistas de diversas partes do mundo para apresentar um modelo de gestão socioambiental que chamou de "inovador".

Segundo a EBX, a chamada GIT (Gestão Integrada do Território) - uma série de ferramentas que promovem a integração social, econômica e ambiental - será implantada no Açu de forma pioneira no País.

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,eike--enfrenta-processos-ambientais-,931598,0.htm

Por volta de 2007 a operação SATIAGRAHA onde o delegado PF MILIONÁRIO e ARAPONGAS queriam dentre outros PRENDER EIKE

Hoje não se encontra uma palavra da intenção de acabar com EIKE que era bandido!

SATIAGRAHA começou muito antes com AS SUPER ESCUTAS TELEFÔNICAS em disputas por controles de grande TELECOM

Mas poucos atentaram ao fato de que o delegado PF PROTÓGENES não é apenas um HOMEM RICO. É MILIONÁRIO, dono de um patrimônio totalmente incompatível com sua atividade. Tinha até conta bancária na Suíça, alimentada no tempo em que era consultor de Ricardo Teixeira, um personagem a quem já havia investigado.

Na contracorrente, todos os três começaram a ser atacados, em Veja, por Diogo Mainardi. E, em meio ao fogo cruzado, sobravam disparos também contra mim. Carta Capital publicou um email falso, Veja fez os ataques aqui já relatados e o resultado é que, nunca antes na história deste país, tantos jornalistas processaram tantos jornalistas.

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/55043/

Hoje, sabe-se que há indícios consistentes de que, assim como a Operação Chacal, a SATIAGRAHA também foi financiada por RECURSOS PRIVADOS. Na Brasil Telecom, então controlada pelos fundos de pensão, estavam infiltrados agentes muito próximos à turma de Carlos Cachoeira e Mino Pedrosa, como o advogado José Roberto Santoro – o mesmo que, num grampo recente, teve reveladas suas relações com o bicheiro e suas tentativas de desestabilizar o governo Lula

Uma guerra entre jornalistas

Inegavelmente, essa disputa comercial criou rótulos entre os jornalistas. Fulano é ligado a A, siclano a B e beltrano a C. E o rótulo que coube a mim foi explorado nesta quinta-feira, de forma absolutamente leviana, pelo jornalista Mino Pedrosa, responsável pelo site Quidnovi (leia aqui o que ele escreveu a meu respeito e sobre o 247). Mino, que provavelmente não gostou de ser citado dias atrás no 247 como ex-assessor de Carlos Cachoeira – o que ele, de fato, foi – responderá criminalmente por suas mentiras.

http://topicos.estadao.com.br/operacao-satiagraha

Eike Batista nega ter negócios com Daniel Dantas


17 de setembro de 2008 | 19h 14

MÔNICA CIARELLI - Agencia Estado http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,eike-batista-nega-ter-negocios-com-daniel-dantas,243599,0.htm

O empresário Eike Batista, dono da EBX - holding brasileira que atua nos ramos de mineração, logística, energia, petróleo e gás -, por meio de sua assessoria de imprensa, negou hoje "peremptoriamente" ter qualquer associação ou negócio com o banqueiro e sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas. Em comunicado, o Opportunity informou que os fundos de investimentos geridos pelas gestoras de recursos do Grupo aplicam apenas 0,22% de seu patrimônio em ações das companhias controladas pelo empresário Eike Batista.

A manifestação ocorreu após o delegado da Polícia Federal (PF) PROTÓGENES Queiroz afirmar a ligação entre os dois. "O que posso afirmar concretamente é que o Eike Batista é associado ao Daniel Dantas", disse o delegado. Ambos foram alvo de operações da PF. Batista foi investigado pela Toque de Midas, deflagrada para desbaratar suposta fraude em licitação para beneficiar a empresa MMX Logística, subsidiária da EBX. Já Dantas chegou a ser preso na Operação Satiagraha, conduzida por Protógenes, contra um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro.

ACOMPANHEI NA TV ABERTA as declarações de Protógenes: O alvo principal era EIKE

Com toda a merda lançada no ventilador, MUDARAM O FOCO, dezenas de novas versões surgiram. Jornalistas alegando que SATIAGRAHA e CHACAL tiveram financiamento PRIVADO (tudo bem para o governo? sem medidas e ações? - Sua polícia e arapongas trabalhando para particulares e o governo nem reclama? Acredite quem puder).

A VEJA está dominada! É o que indica alguns artigos recentes.

Bira Jardim

 

Como sorrateiramente o Comunismo foi implantado no Brasil.

Operação Satiagraha Protógenes Queirós

Operação Satiagraha Prostógenes Queirós

Operação Satiagraha

Delegado PF MILIONÁRIO que Comandou a Operação Satiagraha Eike Batista 12

 

Conhecer a história de um homem que teve a vida destruída por ex-mulher que implantou falsas memórias nos filhos.

comente: blog@artisnobilis.com