A VIDA, O PARASITA QUE SE ALIMENTA DE NOSSO CORPO.

 

         Nos apegamos à vida e enquanto isto, sem que percebamos, ela se esvai.

         Novas esperanças e planos, sempre tudo vai melhorar, novos e bons momentos virão com certeza! A biologia nos faz otimistas: sofremos, mas esperamos compensações mais adiante. (não falo de Deus, pois sou tão ateu quanto teus chinelos).

         50 anos, 87 kg (1,68m), olheiras “Tim Maia”, joelhos “ferrados”, Não vejo uma mulher “de perto” a mais de 4 anos. Sem segundo grau, sem ter pago previdência social (sempre fui otimista, jamais esperei chegar aos 50 na maior dureza!), vivendo de bicos.                                                                 

Porque tanta confiança de que posso recomeçar!? Porque não me mato logo como todo bom ateu com vida difícil!? Porque na maior parte do tempo sou feliz!? – Como é bom ser otimista: meus joelhos estão bons, estou com 77 kg e as olheiras estão sumindo. Chequei aos 49 inexplicavelmente sem fios brancos (quando fico alguns dias sem fazer a barba noto vários fios brancos). Vi recente pesquisa concluindo que os otimistas envelhecem mais devagar.

         Em boa parte vivo por curiosidade de como irei terminar. Escreverei sempre os pequenos trechos que percorrer enquanto puder. É como se assistisse minha vida em um filme, tendo esse prendido minha atenção e quero assisti-lo até o final. Então como um parasita pós-alimentado ela te abandona (e só lhe restarão os ossos!). Escrevi a quase totalidade deste texto aos 47 anos e muitas frases foram força de expressão.

Atualmente, 2009, 55 anos coluna cervical sériamente afetada em efeito chicote e ombros congelados em consequencia de meses de contratura.

Conhecer a história de um homem que teve a vida destruída por ex-mulher que implantou falsas memórias nos filhos.

comente: blog@artisnobilis.com

Voltar ao início do Blog