Nos Curta no Facebook

Fecha em 30 Segundos...!!!Fechar Agora X

Confira Lindos Sites, Vendedores, Integrados ao Google Ôrganico, Topo das Buscas não Pagas

1- PARA A MÍDIA NACIONAL, O POVO JÁ FOI LONGE DEMAIS (LULA ASSUME O CONTROLE DAS MANIFESTAÇÕES)

Mídia Nacional Freio nas Manifestações
 

As "lindas" manifestações de rua, que emparedavam o governo Dilma, já não são mais tão belas; pelo menos, na visão dos meios de comunicação, que, até ontem, as incensavam; Estadão, de Francisco Mesquita Neto, condena a "demofilia" dos governantes; Globo, de João Roberto Marinho, teme que o PT se aproprie da agenda das ruas; Folha, de Otávio Frias Filho, fala em populismo e seus colunistas já reclamam do trânsito; Valor Econômico, associação entre Globo e Folha, diz que o pacote de bondades já custa R$ 115 bilhões por ano; enquanto isso, a presidente Dilma diz que seu governo "vai disputar a voz das ruas"

 

A mídia brasileira se cansou do povo. E as manifestações de rua, que até ontem eram lindas expressões democráticas, uma vez que emparedavam o governo Dilma, hoje são um transtorno à população, um custo para a economia e um risco à democracia.

É o que se depreende da leitura de grandes jornais. O Estadão, por exemplo, condena o excesso de "demofilia" dos governantes. "Na ânsia de reverenciar o povo, os poderes federais competem, às cotoveladas, para fazer da noite para o dia o que a rua subitamente se pôs a cobrar com veemência nos quatro cantos do País em mobilizações que surpreenderam cobradores e cobrados pela amplitude e difusão", diz o editorial do jornal comandado por Francisco Mesquita Neto (leia mais aqui).

Na Folha, o editorial "Brasília se agita" também condena o que o jornal de Otávio Frias Filho classifica como populismo. "De forma frenética, Poderes buscam dar respostas aos protestos, mas correm o risco de se perder em medidas de caráter inócuo ou populista", diz o texto, que defende que uma resposta mais adequada dos políticos seria o cancelamento do projeto do trem-bala entre Rio de Janeiro e São Paulo. Também na Folha, o artigo de Rogério Gentile já critica os transtornos que as manifestações de São Paulo têm causado ao trânsito da metrópole (leia aqui). E a coluna de Vinícius Torres Freire sugere que investidores podem desistir das concessões de serviços públicos, com os congelamentos das tarifas (leia aqui).

O Globo, de João Roberto Marinho, aponta até riscos à democracia e diz que o plebiscito sugerido pela presidente Dilma Rousseff só favorece o PT. "Pesquisas feitas entre manifestantes, antes da reunião de segunda, não detectaram o desejo por uma reforma política", diz o editorial do jornal, que condena a iniciativa proposta pela presidente Dilma. O jornal, no entanto, finge ignorar que a demanda por menos corrupção – presente em todas as manifestações – está diretamente ligada ao tema do financiamento de campanhas políticas.

Além disso, o Valor Econômico, fruto de uma associação entre Globo e Folha, calculou que as medidas já anunciadas pelos governantes terão um custo fiscal de R$ 115 bilhões ao ano. A principal delas – condenada pelo jornal – seria a elevação dos gastos com educação para 10% do PIB, o que custaria R$ 71 bilhões a mais até 2020.

Enquanto isso, a presidente Dilma Rousseff, que ontem se reuniu com centrais sindicais, parece cada vez mais disposta a retomar a iniciativa. "Vou disputar a voz das ruas", disse ela.

Pelo jeito, as manifestações de rua irão gradativamente perder o apoio dos meios de comunicação. A menos que se voltem contra o PT e o governo Dilma.

 

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/106726/Para-a-m%C3%ADdia-nacional-o-povo-j%C3%A1-foi-longe-demais.htm 2+4+7=13 PT

2- O FOCO AGORA É NO JORNALISMO DE ALUGUEL

Carro da TV Diário, afiliada à TV Globo, em Fortaleza É INCENDIADO

E assim, como quem não quer dizer mas constrói um álibi, a Folha entrega as alianças para não perder os dedos. Duas informações en passant, se não dizem tudo, são suficientes para bom entendedor: “Um carro da TV Diário (afiliada à Globo) foi incendiado e um da TV Jangadeiro, afiliada da Band, foi depredado.” e “Em Sergipe, uma equipe da TV Sergipe, afiliada da Rede Globo, foi ameaçada e os pneus do carro da emissora foram esvaziados”. Não é mero acaso que os funcionários destes grupos mafiomidiáticos têm de sair à rua camuflados. Nesta hora, não adianta o convescote do Instituto Millenium botar o Arnaldo Jabor para detratar movimentos sociais. Quem cria Lasier Martins sabe que só pode leva-lo à rua com guia. Quem dá ração a vira-lata, não adianta só agora querer botar focinheira!

A partir deste momento os movimentos voltam à classificação de vândalos e baderneiros. Claro, manifestação contra o governo federal, encabeçadas pelos golpistas de sempre, são festejadas e com cobertura ao vivo. Quando o povo identifica um dos elos pelos quais querem mante-lo manietados ao atraso, voltam a ser condenados, demonizados. Não no Brasil de hoje um segmento que mereça mais repúdio das pessoas de bem, que tenham um mínimo de inteligência, do que estes grupos que nasceram, cresceram e se consolidaram com o patrocínio da ditadura. Globo e suas filiadas nos Estados, que envolvem caciques do naipe de um ACM, um Sarney, um Sirortsky, um Collor, é o que existe de podre em termos de concessões públicas.

3 - PAÍS EM PROTESTO

Enfrentamento no entorno do estádio fere 7 em Fortaleza

Porto Alegre e Salvador também registraram conflitos entre manifestantes e policiais militares e depredações

Rio teve manifestação pacífica; em Brasília, UNE e Ubes levaram 2.000 pessoas para a frente do Congresso

DE FORTALEZA DE PORTO ALEGRE DE SALVADOR

Policiais e manifestantes voltaram a entrar em confronto ontem em pelo menos três capitais: Fortaleza, Porto Alegre e Salvador. No total, 12 mil pessoas saíram às ruas nessas três cidades.

A capital cearense reuniu 5.000 manifestantes e teve o confronto mais longo e intenso. O protesto começou às 10h e só terminou às 17h.

Torcedores que seguiam para o Castelão, onde Espanha e Itália se enfrentaram pela Copa das Confederações, corriam assustados e tinham que tampar boca e nariz para se proteger do gás lacrimogêneo lançado pela PM.

Os manifestantes marcharam até uma barreira policial que impedia o acesso ao estádio e, por volta das 14h, parte deles começou a atirar bombas caseiras, coquetéis molotov, pedras e paus nos policiais militares. A PM revidou com balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo.

Placas quebradas, restos de pneus e garrafas de plástico queimados, vidros de um ônibus depredado e de garrafas, além de muitas pedras, usadas como munição contra os policiais, podiam ser vistos ao longo do caminho. Imóveis foram depredados.

Um carro da TV Diário foi incendiado e um da TV Jangadeiro, afiliada da Band, foi depredado. Segundo a PM, 72 pessoas foram detidas, e 20 menores, apreendidos. Ao menos sete ficaram feridas sem gravidade.

Em Porto Alegre, o ato também reuniu 5.000 pessoas. O problema começou quando um grupo não aceitou a proposta de "protesto parado" e exigiu uma passeata.

Integrantes desse grupo jogaram rojões em direção a policiais da Tropa de Choque que faziam a guarda do Tribunal de Justiça. Eles reagiram com bombas de gás lacrimogêneo. Houve correria.

O grupo dissidente passou então a percorrer ruas das imediações, atacando carros estacionados e lojas.

Em Salvador, a maior estação de ônibus foi atacada e a PM utilizou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar um pequeno grupo em meio a 2.000 manifestantes.

Pelo menos dois ônibus foram danificados e a entrada da estação da Lapa foi bloqueada.

Um grupo encapuzado colocou fogo em dois contêineres de lixo e, aos gritos de "passe livre", obrigou motoristas a permitir o acesso de usuários sem pagar.

Em Sergipe, uma equipe da TV Sergipe, afiliada da Rede Globo, foi ameaçada e os pneus do carro da emissora foram esvaziados.

No Rio, o protesto que reuniu cerca de 5.000 pessoas (segundo a PM) foi pacífico.

UNE (União Nacional dos Estudantes) e Ubes (União Brasileira de Estudantes Secundaristas) fizeram uma manifestação em Brasília que reuniu cerca de 2.000 pessoas (segundo a PM) no gramado em frente ao Congresso. Não houve confronto.

Também houve atos em João Pessoa, Florianópolis, Teresina, Belém e Goiânia.

Com colaboração em ARACAJU, do RIO e de BRASÍLIA

http://fichacorrida.wordpress.com/

 

Conhecer a história de um homem que teve a vida destruída por ex-mulher que implantou falsas memórias nos filhos.

comente: blog@artisnobilis.com

Voltar ao início do Blog